Nosferatu – o clássico do terror

 
Cena do original “Nosferatu”

Aproveitando o clima de medo dos filmes de terror, vamos relembrar um dos maiores clássicos filmes de terror de todos os tempos: “Nosferatu”. Dirigido pelo alemão Friedrich Wilhelm Murnau e baseado no brilhante livro “Drácula” de Bram Stoker, foi o primeiro filme de vampiros da história do cinema.

 “Nosferatu” se tornou um símbolo do expressionismo alemão, é uma adaptação não autorizada da obra literária, pois o diretor não conseguiu comprar os direitos autorais do livro, então manteve o enredo da obra, mas mudou os nomes dos personagens e também o local onde a história acontece, de Londres para Bremen, na Alemanha. Mesmo assim a viúva de Bram Stoker processou os produtores do filme e a justiça determinou que todas as cópias deveriam ser destruídas, mas algumas cópias já haviam sido distribuídas, e isso evitou a extinção desse fantástico filme, o que com certeza seria uma perda irreparável!

 Rodado em 1922, o que surpreende em “Nosferatu” são os recursos utilizados para gerar medo e terror. Mesmo sem meios tecnológicos, esse filme mudo em preto e branco transmite a verdadeira aura de terror, suspense e medo que um ambiente sombrio deve ter. Percebemos o mau na sua real forma, o vampiro em seu verdadeiro papel. A atuação do ator Max Schreck como Conde Orlok é simplesmente brilhante, ele encarna a verdadeira face do vampiro: um morto-vivo cruel, sombrio e esquálido. O filme conduz o espectador a uma dimensão de fantasias nefastas e irracionais, e aos poucos o leva ao mundo dos devaneios cruéis e assustadores de Nosferatu.

 Em 1979, o filme ganhou uma nova versão, também magnífica, dirigida por Werner Herzog, intitulada “Nosferatu: o vampiro da noite”, com o ator Klaus Kinsky no papel do maléfico vampiro. A releitura foi fiel ao filme original e também foi consagrada pela crítica.

Cena do remake "Nosferatu: o vampiro da noite"

Uma das melhores cenas dessa releitura é o jantar de Jonathan Harker no castelo de Nosferatu. Enquanto Jonathan come, o maléfico vampiro olha para ele durante muito tempo com uma feição assustadora em um cenário sombrio. A lentidão da cena permite ver com perfeição as expressões do vampiro e de sua vítima, e oferece um ar realmente assustador, dificilmente encontrado em outro filme de terror.

Sobre thaisluisef

Publicitária, bailarina e escritora, não necessariamente nessa ordem. Apaixonada por artes e por tudo o que há de bom nessa existência. Como muitos, buscando um sentido para a vida e fazendo o que posso enquanto isso.

Publicado em 21 de abril de 2011, em Adaptados para o cinema, Aplausos, Clássicos do cinema, Cri-Críticas e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Foi isnpiração p/ Anne Rice escrever seus contos vampirescos ( precisa dizer mais? )

    *esse filme é só p/ quem gosta de vampiros q ñ “brilhão”.*

  2. bem esse grande clássico é realmente assustador nada dessas estórias de vampiros melosos da saga crepúsculo que nem sequer dâo medo frutos de uma imaginaçâo totalmente retardada por assim dizer acho raro nos dias de hoje criarem um filme como esse

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: