Arquivos do Blog

Grease – Nos Tempos da Brilhantina

Vamos falar hoje de um dos maiores sucessos da década de 70, “Grease” ou melhor “Nos tempos da brilhantina”, esse filme é espetacular e é um dos musicais mais conhecidos do cinema até hoje, ainda é lembrado por todos com um belo clássico cinematográfico. O filme “Grease” foi rodado no ano de 1978, contou com a participação de John Travolta e Olivia Newton-John e foi dirigido por Randal Kleiser .

Relatos dizem que o nome original “Grease” vem de uma subcultura de jovens trabalhadores norte-americanos conhecidos como “greasers”, ou melhor gangues de rua, existentes no nordeste e no sudeste dos Estados Unidos nos anos 50. O estilo de vida dos Jovens “Greasers” se tornou muito popular na época entre a juventude americana devido à seu aspecto de rebeldia nos costumes e no modo de agir desses grupos.

O Orçamento de Grease foi de US$ 6 milhões, sendo que arrecadou US$ 360 milhões nas bilheterias de todo o planeta. Teve uma continuação (“Grease 2”) em 1982 com Michelle Pfeiffer no papel principal, mas não obteve o mesmo sucesso.

Sinopse

O filme ocorre na Califórnia na década de 50, quando a australiana Sandy (Olivia Newton-John) se apaixona por Danny (John Travolta) enquanto estava de férias nos Estados Unidos, ambos acabam trocam juras de amor, mas quando o verão acaba Sandy tem que voltar para a Austrália e o casal se separa. Porém os pais dela decidem mudar de idéia e permitem que ela fique e ela acaba indo para o mesmo colégio de Danny. Embora os dois ainda estejam apaixonados ele a trata totalmente diferente e começa a esnobá-la. Líder da gangue dos T-Birds, ele tem uma reputação a manter e não pode ficar namorando apenas uma garota. Sandy fica desapontada, pois não consegue se adaptar à nova vida. Esta trama retrata a vida e o comportamento dos jovens daquela época. Grease – Nos Tempos da Brilhantina foi o grande sucesso de 1978.

Anúncios

Cantando na Chuva

É impossível falar sobre clássicos do cinema sem citar o famosíssimo “Cantando na chuva”, uma das melhores produções cinematográficas de todos os tempos.

Produzido em 1952 e dirigido por Stanley Donen e Gene Kelly, “Cantando na chuva”  é um clássico atemporal que encanta pessoas de todas as idades há decadas. A incrível atuação de Gene Kelly como ator e bailarino é realmente memorável e dá um brilho especial ao musical. 

Don Lockwood e Lina Lamont são dois astros do cinema mudo que, com a chegada do som, devem se adaptar às mudanças e dar um novo rumo à suas carreiras. Enquanto Don se sai muito bem, Lina se aproveita  de Kathy Selden, uma jovem que sonha em ser atriz, mas se vê obrigada a trabalhar dublando a péssima voz de Lina. Quando Don se apaixona por Kathy, decide fazer de tudo para que o talento da amada seja finalmente reconhecido.

“Cantando na chuva”  ficou em 5° lugar na lista dos os 100 melhores filmes norte americanos de todos os tempos, publicada em 2007 pelo American Film Institute.

  Leia o resto deste post

Quanto Mais Quente Melhor!

Aproveitando o clima de beleza e sensualidade das divas do cinema, vamos relembrar um clássico que conta com a atuação de um ícone de beleza e sensualidade, considerada por muitos como a mulher mais linda de todos os tempos: Marilyn Monroe.

“Quanto mais quente melhor” (Some like it hot) produzido em 1959, obra prima do diretor Billy Wilder, é um dos filmes mais conhecidos da diva, vencedor de importantes prêmios do cinema, como o Oscar, o Globo de Ouro e o Bafta.

Joe (Tony Curtis) e Jerry (Jack Lemmon) são dois músicos atrapalhados e desempregados. Jerry se preocupa com o futuro incerto dos dois, enquanto Joe propõe soluções duvidosas para seus problemas financeiros, como apostar seu cachê em corridas de cachorro ou penhorar seu único casaco em pleno inverno.

Por acidente, os dois presenciam o massacre de São Valentim em Chicago, mas conseguem escapar. Os criminosos não querem testemunhas, e passam a persegui-los para matá-los.

Desempregados e fugindo dos mafiosos, os dois amigos vêem a oportunidade perfeita para mudarem de vida quando surgem duas vagas para músicos em um hotel na Flórida. O único problema é que as vagas são para mulheres. Os dois decidem se disfarçar e se transformam em Josephine e Daphne. Leia o resto deste post

Um dos melhores Clássicos musicais do cinema – “Funny Girl”

 

Atendendo a pedidos vamos falar hoje sobre outro clássico do cinema, “Funny Girl – Uma garota genial” este é um filme norte-americano dirigido por William Wyler baseado em uma história real sobre a humorista Funny Bride, e foi estreado em meados de 1968, com o gênero Drama biográfico musical. Em 1975 foi lançada um continuação em “Funny Lady”, que sofreu algumas criticas de espectadores que amaram esse primeiro filme.

Funny Girl é um ótimo filme de comédia musical, sua trama conta a história da vida da cantora e comediante Fanny Brice interpretada por Barbra Streisand que nesse filme marcou sua estréia como cantora no cinema, Barbra recebeu diversos prêmios de melhor atriz decorrente de sua perfeita atuação em “Funny Girl”, como o Globo de Ouro, o Oscar e o David di Donatello, e também recebeu indicação ao premio similar da Academia Britânica de Cinema e Televisão.

O filme possui uma perfeita direção de Wyler, com atuações e trilhas sonoras dignas de muitos elogios, a aceitação desse filme foi tão boaque teve 8 indicações ao Oscar, uma maravilhosa noticia a produção e ao elenco do filme.

O filme se trata de uma jovem pobre, sem muitos recursos, chamada Fanny Brice que sonha em fazer carreira como cantora, sua primeira chance de realizar seu sonho é concedida no “Kenney’s Music Hall”, após uma engraçada apresentação de estréia como bailarina sobre patins.  Nick Arnstein, um rico jogador que estava na platéia logo passa a admirá-la e como uma pessoa de muitas influencias decide indicá-la ao Sr. Florenz Ziegfeld, um famoso produtor do “Ziegfeld Follies”, com o intento de que ele faça um teste com a garota Fanny. Depois da aprovação no teste, Funny inicia seu trabalho para o Sr. Florenz, assim não demorou muito para se tornar a grande artista de seus shows.  Após Muito tempo sem se verem, Funny e Nick se reencontram e terminam se casando em uma viajem de navio, que resulta algum tempo depois em uma filha.

   

Ao retornarem ao teatro, Funny ainda é muito admirada e bem sucedida, isso faz com que Nick se sinta um pouco mal com a situação, pois não tem mais os mesmos prestígios de antigamente, devido ter sofrido grandes prejuízos com poços de petróleo e não ter mais sorte no pôquer.

Ela tenta ajudá-lo financeiramente, mas quando Nick descobri que ela estaria tentando ajuda-lo com US$ 50 mil sem o seu conhecimento, recusa a ajuda de sua amada.  Sem querer aceitar a ajuda de Funny se encontra afundado em dívidas, Nick acaba se envolvendo em atividades ilegais e vai preso, e mesmo assim Fanny continua crescendo e fazendo cada vez mais sucesso no teatro. Quando Nick sai da prisão após 18 meses de reclusão, ele a procura e decide acabar com o casamento, por não querer ser um estorvo na vida dela.

 

  Elenco principal

 

Este filme ocupa a 16ª colocação na Lista dos 25 Maiores Musicais Americanos de todos os tempos, idealizada pelo American Film Institute (AFI) e divulgada em 2006.